Uma ameaça silenciosa – Riscos de insolvência na gestão da cadeia de fornecimento global

Nunca foi tão fácil para uma empresa se conectar à economia mundial. Compradores e fornecedores podem entrar em contato, colaborar e aproveitar a experiência e as habilidades de colaboradores de todo o mundo. Embora isso gere muitas oportunidades, também pode deixá-los expostos ao risco de interrupção da cadeia de fornecimento.

Sejam condições climáticas extremas, acontecimentos políticos e socioeconômicos, os mercados em todo o mundo são perturbados por fatores externos que fogem do controle da empresa média. O que um gerente de risco da cadeia de fornecimento (GRCF) consideraria ao administrar o risco financeiro em sua cadeia de fornecimento e ao administrar o impacto de problemas internos que afetam os planos de continuidade de negócios de uma empresa?

O impacto das interrupções na cadeia de fornecimento

As cadeias de fornecimento são cada vez maiores e mais complexas, exatamente como a tarefa de gerenciar e monitorar de forma eficaz os riscos associados. A inflação na Argentina, a constante turbulência na Venezuela,  , além das tensões comerciais entre os EUA e a China são exemplos de riscos financeiros imprevisíveis aos quais as cadeias de fornecimento estão expostas.

Esses acontecimentos podem parecer remotos, mas com as margens de lucro em níveis historicamente baixos e diante da incerteza geopolítica vista em todos os cantos do mundo, o risco de interrupção da cadeia de fornecimento é muito real.

As interrupções desse tipo são mais comuns do que muitos pensam. Dados da Vuealta mostram que 90% das empresas  sofreram interrupções da cadeia de fornecimento nos últimos cinco anos. Uma pesquisa sobre a resiliência da cadeia de fornecimento do Business Continuity Institute (2017) destacou que esses riscos geralmente são gerados a partir do nível 2 para baixo. Cerca de 65% dos participantes disseram que tiveram pelo menos uma interrupção significativa da cadeia de fornecimento no ano anterior, mas apenas 44% desses problemas tiveram origem no nível 1. Junto com falha de um único fornecedor, desastres naturais, ataques cibernéticos, agitações políticas e guerras comerciais são os principais riscos que os GRCFs dizem que afetam a gestão da cadeia de fornecimento global.

Tudo isso pode resultar em insolvência em uma cadeia de fornecimento, pois os fornecedores acabam ficando incapacitados de operar ou de honrar suas obrigações. Para cadeias de fornecimentos sem capacidade ou sem planejamento efetivo da continuidade de negócios, os efeitos de uma mudança negativa podem ser sentidos quase que instantaneamente.

Claramente, a tarefa dos GRCFs que buscam gerenciar com eficiência os riscos financeiros que sua cadeia de fornecimento enfrenta é bastante difícil. Aqui estão duas etapas essenciais que eles devem seguir.

Identificar e compreender o risco

As empresas nunca estarão totalmente isentas da exposição ao risco, mas há algumas maneiras importantes de prever e limitar as interrupções da cadeia de fornecimento.

Os GRCFs têm várias ferramentas à disposição para ajudar a identificar e compreender os riscos financeiros que enfrentam. Trabalhar apenas com fornecedores pré-qualificados é um bom ponto de partida. Isso pode ajudar a confiar na resiliência financeira dos seus fornecedores e garantir que eles tenham planos de continuidade adequados em vigor. Pontuação e rastreamento de fornecedores é uma forma importante de garantir que o foco seja sempre na qualidade do serviço prestado e não em outras métricas, como preço. Ao estabelecer os indicadores de desempenho relevantes, os GRCFs acharão mais fácil manter relacionamentos sólidos com fornecedores importantes, sinalizar possíveis problemas com antecipação e deixar de trabalhar com empresas que apresentam muito risco ou um baixo desempenho constante.

Analisar regularmente o desempenho financeiro e comercial dos fornecedores é essencial. Observar apenas os produtos ou serviços fornecidos não dará uma visão abrangente da resiliência dos fornecedores perante fatores externos. Por exemplo, seus dados mostram que em 2018, 15% dos fornecedores tiveram margens de lucro negativas e que 14% tiveram um índice de liquidez abaixo de 1, o que significa que suas dívidas com vencimento em um ano ou menos foram maiores que seus ativos. Problemas financeiros frequentemente são a principal causa da queda do desempenho de fornecedores, e algo que eles tentarão esconder dos clientes e compradores pelo maior tempo possível.

Os fornecedores de primeira linha também podem estar com problemas gerados nos níveis inferiores da cadeia de fornecimento, o que pode gerar atrasos nas entregas e queda de qualidade do nível 1. Essa falta de visibilidade da cadeia de fornecimento é um fator importante de risco, pois prejudica a capacidade de prever e de mitigar os transtornos.

Identificar pontos problemáticos e possíveis debilidades deve ir além das empresas individuais. Os GRCFs também devem tentar ficar atentos a regiões, setores e países específicos.

Monitoramento e gerenciamento de risco

Saber o que pode causar interrupções na cadeia de fornecimento é apenas uma parte do quebra-cabeça. Manter um monitoramento em tempo real é essencial, pois alerta os GRCFs se houver uma mudança que mereça sua atenção. Ter o sistema certo implantado permite que os GRCFs se concentrem na estratégia em vez de perderem tempo lendo notícias e relatórios financeiros. A gestão de riscos representa uma grande parte da gestão de cadeia de fornecimento global, mas não é a única. Os GRCFs precisam ter certeza de não negligenciar as outras partes da função, sendo o monitoramento em tempo real um ativo importantíssimo.

Há algumas outras etapas que os GRCFs podem seguir para gerenciar o risco financeiro em suas cadeias de fornecimento:

  • Solicitar auditorias de fornecedores específicos
  • Verificar se os seus contratos têm cláusulas de proteção contra a insolvência dos fornecedores
  • Identificar fornecedores pré-qualificados alternativos para mercadorias e serviços de alto risco
  • Monitorar sinais de problemas em empresas específicas, particularmente quanto à deterioração da qualidade/serviço, tentativas de renegociação de preços, pedidos de modificação de termos de pagamento e níveis inconsistentes de estoque

Não há como evitar, o risco de insolvência nas cadeias de fornecimento aumenta em períodos de incerteza. Os GRCFs precisam tentar fazer o melhor para manter-se informados e identificar os problemas antes que eles causem uma interrupção na cadeia de fornecimento. Pode parecer que isso é pedir demais em termos de tempo e recursos, mas podemos ajudar.

Temos as ferramentas e a experiência para ajudar as empresas em todo o mundo a melhorar sua efetividade operacional, sua resiliência e sua gestão de riscos globais. Nossas soluções ajudarão você a identificar possíveis fontes de interrupção e a criar planos eficazes de continuidade de negócios para proteger sua empresa contra os piores efeitos.

Entre em contato conosco para saber como podemos ajudar com sua gestão de riscos na cadeia de fornecimento global hoje mesmo.


Riscos de insolvência na gestão da cadeia de fornecimento global

Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar