“Compra inclusiva”: expressão vazia ou um importante conceito estratégico?

Article by Achilles

99% das empresas do Reino Unido são pequenas e médias empresas (PMEs), sedentas por crescerem e ampliarem suas operações. Apesar disso, parece que essas empresas menores geralmente são excluídas das cadeias de fornecimento, para as quais poderiam agregar valor.

Em 2012, realizamos um estudo com uma empresa de pesquisa independente do Reino Unido, a IFF Research, e descobrimos que apenas 25% dos contratos foram fechados com PMEs, e 80% das grandes empresas da Grã-Bretanha não planejavam aumentar o número de parcerias com PMEs. Esses dados preocupantes levaram o Governo do Reino Unido a prestar mais atenção à situação das PMEs, tomando iniciativas para promover a diversidade na cadeia de fornecimento.

Apesar do maior foco e de o governo ter a meta de que 33% das despesas sejam especificamente voltadas para PMEs, os gastos diretos do governo com as PMEs só aumentaram em um ponto percentual, de 10% para 11%.

Na realidade, uma publicação do Parliamentary Review sobre atrasos no pagamento às PMEs, em 2018, revelou que essas empresas ainda enfrentam dificuldades específicas com a cadeia de fornecimento e quase metade dos proprietários de pequenas empresas afirmou que pagamentos em atraso colocam suas empresas em risco.

O que essas estatísticas demonstram? Os números mostram que existem obstáculos estruturais que a cadeia de fornecimento impõe às PMEs, além de muito potencial sendo desperdiçado. Pequenas empresas e startups geralmente são as fontes de inovação que transformam mercados já estabelecidos.

Como fazer para modificar a forma como as cadeias de fornecimento trabalham? Existem diversas estratégias diferentes. Por exemplo, oferecemos um serviço de auditoria que é aceito por alguns compradores no lugar de determinadas certificações e que garante ainda mais as competências do fornecedor. Achamos que isso ajuda muito as pequenas empresas a se tornarem visíveis para grandes organizações, que podem se beneficiar dos seus serviços.

Mas quais medidas os compradores podem tomar para incluir um pouco de diversidade produtiva em suas cadeias de fornecimento? Uma teoria coloca o setor de compras como fundamental para a promoção da diversidade.

O que é a compra inclusiva?

A compra inclusiva é o processo de diversificar a cadeia de fornecimento de uma empresa, através da escolha de fornecedores novos, menores ou inovadores. Seus adeptos concordam que a compra inclusiva permite que as empresas criem uma carteira de fornecedores mais inovadores, com perspectiva visionária e mais flexíveis. Isso é muito importante para empresas que buscam se diferenciar com personalizações especializadas, algo que as PMEs estão particularmente aptas fornecer.

O termo “compra inclusiva” foi inventado pela MSDUK, uma organização britânica sem fins lucrativos, que acredita que a sub-representação de pequenas empresas não só restringe a inclusão do crescimento econômico, como enfraquece o empreendedorismo e a flexibilidade necessários para inovações revolucionárias.

Este conceito contou com o apoio de muitas empresas, que desejam aumentar seus gastos com PMEs, como forma de contribuir com as comunidades locais. No entanto, a consistência da divulgação desses objetivos é confusa e parece que ainda há um caminho a percorrer para obter cadeias de fornecimento realmente inclusivas.

Mas por que é tão difícil obter uma mudança significativa neste espaço? A ideia de compra inclusiva é um conceito vazio, que agrega pouco valor às empresas? Ou incluir diversidade é uma boa estratégia para impulsionar valor agregado?

Os benefícios da diversidade de fornecedores

Em um nível elementar, quanto mais diversidade em sua base de fornecedores, maior a probabilidade de sua organização ser um reflexo dos clientes que ela atende. Mas acreditamos que dedicar tempo para criar uma base de fornecedores mais inclusiva tem uma série de benefícios.

Geralmente as grandes empresas têm melhores condições de oferecer serviços globais, preços mais competitivos e determinadas proteções jurídicas. Por outro lado, as PMEs tendem a ser mais flexíveis, eficientes e rápidas, além de estarem mais bem localizadas do que as grandes organizações das quais são parceiras.

Ao criar uma cadeia de fornecimento com empresas grandes e pequenas, as organizações conseguem aproveitar os melhores aspectos de ambas, aumentando sua flexibilidade.

Os riscos da exclusão

As empresas que não adotam a compra inclusiva podem acabar obtendo uma cadeia de fornecimento inflexível, repleta de ineficiência, custos elevados, abordagens empresariais reativas, falta de concorrência e inovação.

As organizações também podem perceber que não sabem o que seus clientes realmente querem, o que é algo perigoso para qualquer empresa.

Isso não está acontecendo só conosco. Os elaboradores de políticas estão ficando cada vez mais defasados com relação à diversidade de fornecedores, e isso significa que as empresas também podem correr riscos de conformidade, se não incluírem as PMEs em sua cadeia de fornecimento. Por exemplo, as Normas da UE agora exigem que o setor público e as empresas regulamentadas, como empresas prestadoras de serviços públicos, possam definir apenas fornecedores que tenham faturamento mínimo de até duas vezes o valor do contrato.

Contudo, ainda há uma tendência entre os compradores de trabalhar apenas com empresas maiores, pois eles se sentem confortáveis com esse relacionamento, e geralmente consideram que as PMEs oferecem um perfil de risco mais elevado. É nesse quesito que podemos ajudar os fornecedores menores, oferecendo auditoria, para que os compradores tenham certeza de seu potencial.

Como obter diversidade de fornecedores

Promover a diversidade em sua cadeia de fornecimento requer um processo de compras favorável a todos. Uma parte importante deste processo é remover os obstáculos comuns da licitação, como o excesso de formulários para preencher e requisitos mínimos de faturamento.

E é nesse ponto que podemos ajudar. Nós removemos os obstáculos, oferecendo a todas as empresas as mesmas oportunidades, independentemente do tamanho.

Como parte de nossas comunidades, as empresas preenchem um questionário de pré-qualificação, que é verificado pela nossa equipe. Em seguida, disponibilizamos esses dados a todas as organizações compradoras relevantes, dando aos fornecedores menores a chance de interagir com empresas com as quais não entrariam em contato de outra forma.

Muitos compradores também estão dividindo os contratos em partes menores, a fim de possibilitar que fornecedores menores consigam atendê-los. Além disso, o serviço de auditoria que fornecemos ajuda a oferecer às empresas menores mais garantia com relação às suas competências como fornecedores de grandes empresas. Isso ajuda a aumentar a visibilidade das ofertas de inovadores e transformadores de pequenas empresas a aumentarem a visibilidade de suas ofertas, tornando mais fácil que os compradores escolham a melhor maneira de incluir mais diversidade em suas cadeias de fornecimento.



Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar