Cadeias de fornecimento transparentes, fornecimento responsável e responsabilidade:

Article by Achilles

As chaves para gerar mudanças positivas no setor de energia

Um clima otimista prevaleceu na Conferência AchillesLive deste ano para o setor de Energia e serviços do norte da Europa, com foco em fontes renováveis e fornecimento responsável. As empresas destacaram seu senso de responsabilidade para a criação de um futuro melhor compartilhado por empresas e formuladores de políticas. Os principais envolvidos na região podem ajudar a liderar o mundo na mudança positiva?

“Em 20 anos trabalhando com empresas do setor de energias e serviços públicos, nunca senti tanta motivação e paixão, envolvimento e entusiasmo.” É o que diz Halvard Homme, Diretor da Achilles na região nórdica. Seus comentários foram feitos após a quarta conferência AchillesLive, que ocorreu nos dias 18 e 19 de setembro em Oslo, cujo foco foi os desafios da transformação enfrentados pelas empresas de serviços públicos do norte da Europa. A inclusão de planos de investimento dos governos para desempenhar sua função fundamental no domínio de energias renováveis foi denominada “revolução industrial verde”. Durante os dois dias, houve alguns temas recorrentes claros sobre o crescimento contínuo das energias renováveis, com o desenvolvimento de cadeias de fornecimento transparentes e assuntos importantes sobre as diretrizes de fornecimento responsável.

Cadeias de fornecimento transparentes – somos tão fortes quanto nosso elo mais fraco

“Somos uma nação de renováveis”, comentou Kjell-Børge Freiberg, Ministro de Petróleo e Energia norueguês, “Nossa proporção renovável é de 70% – a UE deve atingir uma meta de 20% no próximo ano. E, apesar de metade do nosso consumo de energia vir da eletricidade, na UE é menos de um quarto.”

“Vamos desenvolver a Noruega como uma nação energética, com a importância que tem para a sociedade, para empregos e para a indústria. Cuidando do bem-estar das próximas gerações”, afirma Freiberg.

As cadeias de fornecimentos são globais, não locais ou regionais. No entanto, em algumas regiões, o progresso é muito mais lento do que em outras.

“Algumas partes do mundo ainda precisam acordar e o fato de algumas regiões estarem atrasadas representa um risco claro para as empresas em todo o mundo”, diz Katie Tamblin, Chefe de produto da Achilles, que apresentou o evento. “Um comprador é tão forte quanto o elo mais fraco da sua cadeia de fornecimento. Se apenas uma empresa não estiver totalmente alinhada com suas ambições ou diretrizes de fornecimento responsável e apresentar baixa qualidade, você não cumprirá seus próprios padrões.”

Transformação na cadeia de fornecimento

Isso é especialmente importante com base na pesquisa recente da Deloitte, que demonstra que apenas 6% dos líderes de compras no mundo têm transparência total da sua cadeia de fornecimento e dois terços têm pouca ou nenhuma visibilidade além dos fornecedores de primeiro nível.

“Uma cadeia de fornecimento transparente é a chave para a transformação”, aconselha Katie Tamblin. “Conhecer sua cadeia de fornecimento e ser capaz de determinar rapidamente se um fornecedor em qualquer nível está apto a fazer negócios é essencial para o tipo de transformação que muitas empresas estão tentando alcançar. E isso ajudará a forçar os fornecedores com baixo desempenho a saírem do setor ou, pensando positivamente, a reformularem suas práticas.”

Em uma escala diferente, há empresas que trabalham em outras estratégias de transformação. Como Katie observa, “não há apenas empresas de serviços públicos adotando recursos renováveis e empresas de energia se reinventando completamente, apesar disso ser impressionante em visão, escala e ambição. Também estou falando sobre empresas como a IBM e a especialista em proteção digital, Darkbeam, que estão desenvolvendo soluções de IA e segurança cibernética especificamente para reduzir os riscos associados à transformação da sua cadeia de fornecimento.”

Colaboração para obter vantagem compartilhada

Helle Herk-Hansen, vice-presidente ambiental da Vattenfall, falou no evento sobre como os parceiros europeus da Coca-Cola e a Vattenfall estão se unindo com uma mensagem clara. O fim do combustível fóssil em uma geração. “As parcerias são importantes para garantir um futuro sem fósseis”, diz Helle. Essa parceria poderosa é um excelente exemplo de como a colaboração pode funcionar no setor com um objetivo comum em direção a um futuro mais sustentável.

Halvard Homme acredita que permitir a colaboração é uma área vital para gerar transformação. Como ele diz, “Por muitas décadas, a Noruega concentrou seus esforços na produção de petróleo e gás offshore, criando enorme experiência nas tecnologias, desafios de engenharia e problemas de saúde e segurança envolvidos.”

“As empresas devem procurar compartilhar seu conhecimento sobre energias renováveis e fornecimento responsável, para ajudar a gerar a transformação econômica e infraestrutural tão desesperadamente necessária no setor de renováveis.”

Halvard também é rápido em apontar outro recurso fundamental para gerar mudança nas energias renováveis: responsabilidade. “As empresas de serviços públicos e de energia sentem-se responsáveis pela mudança”, ele diz. “Agora, estou muito orgulhoso da liderança que elas e seus setores estão assumindo, particularmente nos países nórdicos.”

AchillesLive 2020 – Barcelona



Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar