Entrar em contato
Uma transição equitativa para os objectivos da OMI em matéria de gases com efeito de estufa

Artigo, Artigo, Guia

Uma transição equitativa para os objectivos da OMI em matéria de gases com efeito de estufa

Ao chegarmos ao fim da Semana Internacional do Transporte Marítimo de Londres e na sequência da MEPC80, a Achilles falou com o nosso mais recente embaixador, Peter Schellenberger da Novomaxis, sobre a sua opinião acerca da Estratégia da OMI para a Redução das Emissões de GEE dos Navios de 2023 e o que isso significa para o transporte marítimo.

Em julho de 2023, a Organização Marítima Internacional (OMI) adoptou uma estratégia para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) no sector do transporte marítimo. Com o objetivo de “reduzir as emissões de gases com efeito de estufa provenientes do transporte marítimo internacional e, com carácter de urgência, visa a sua eliminação progressiva o mais rapidamente possível, promovendo simultaneamente, no contexto da presente estratégia, uma transição justa e equitativa”.

A maioria dos leitores deste blogue que tenham tido alguma coisa a ver com o transporte marítimo nos últimos anos estarão muito familiarizados com os objectivos da IMO em matéria de GEE para reduzir as emissões de dióxido de carbono por trabalho de transporte em 40% até 2030, e para reduzir as emissões absolutas para zero líquido até 2050 ou o mais próximo possível. A OMI também estabeleceu objectivos intermédios para reduzir as emissões absolutas em 20%, procurando atingir 30% até 2030 e 70%, procurando atingir 80% até 2040.

Do mesmo modo, poucos contestarão que esta iniciativa da OMI constitui um importante passo em frente. De acordo com a Horizon, a revista de investigação e inovação da UE, o sector marítimo mundial representa 3% das emissões globais, mas poderá ser responsável por 10-13% se não forem tomadas medidas. Por conseguinte, é imperativo que os organismos reguladores, em todos os sectores, estabeleçam normas e promovam a mudança necessária.

A estratégia da IMO para cumprir os seus objectivos em matéria de GEE abrange estratégias de curto, médio e longo prazo, a um nível elevado. Os planos a curto prazo foram acordados pelo comité entre 2018-2023, que aborda a poluição atmosférica e os objectivos de eficiência energética em conformidade com os regulamentos do Anexo VI da MARPOL. Estes objectivos deverão estar concluídos até 1 de janeiro de 2026. Os objectivos a longo prazo foram desenvolvidos no âmbito da revisão da estratégia de 2028, para abordar os objectivos para além de 2030. Simultaneamente, estão a ser desenvolvidas estratégias a médio prazo que serão finalizadas com base num conjunto de critérios. As medidas serão compostas por dois elementos:

  1. um elemento técnico: uma norma relativa aos combustíveis navais baseada em objectivos que regule a redução progressiva dos combustíveis navais com elevada intensidade de GEE,
  2. e um elemento económico, baseado num mecanismo de fixação de preços das emissões marítimas de GEE.

Um dos pontos-chave da estratégia destaca a Nações Unidas mais alargadase a dedicação da OMI a uma transição justa e equitativa, garantindo que a indústria assuma a responsabilidade pela redução efectiva das emissões, em vez de as transferir para outras partes da cadeia de abastecimento, e assegurando que as preocupações sociais importantes não sejam negligenciadas no processo.

Falando à Achilles, depois de ter assumido recentemente o seu novo papel de Embaixador da Achilles, Peter Schellenberger partilhou as suas ideias sobre a importância de adotar uma abordagem holística para cumprir os objectivos da OMI em matéria de GEE, afirmando que “os relatórios inteligentes KYC e ESG podem ajudar as empresas a melhorar as suas classificações, o que também pode atrair investimento. No entanto, a chave para o sucesso futuro é o compromisso genuíno com a sustentabilidade a longo prazo”.

E continuou: “O equilíbrio entre melhorar as classificações e assegurar uma mudança significativa é difícil. Há uma grande diferença entre uma organização que quer marcar a caixa do relatório ESG e fazer boa figura e uma que decide fazer dos objectivos e da melhoria da sustentabilidade parte do seu ADN. É encorajador ver que muitas empresas estão a perceber a necessidade real de ter uma política ESG adequada e que as certificações ISO estão totalmente integradas nas políticas da empresa e são tratadas de forma transparente.”

Falando sobre a forma como a implementação do ESG poderá funcionar no sector dos transportes marítimos, Peter afirmou: “Presumo que, no que respeita aos relatórios relacionados com o ESG/KYC, estamos a passar por um processo semelhante ao que passámos com o ISA há algumas décadas e ainda vai demorar algum tempo até que as várias indústrias definam as suas necessidades e as normalizem para a elaboração de relatórios seguros. Provavelmente, o sector dos transportes marítimos conseguirá regular-se a si próprio ou terá de ser criada legislação de um determinado tipo. A verdade é que, atualmente, todos os principais intervenientes no sector dos transportes marítimos têm necessidades diferentes em termos de relatórios KYC e ESG, o que obriga vários milhares de fornecedores a passar pela agonia de fornecer as informações necessárias. Tudo isto seria muito mais fácil se fosse disponibilizada uma plataforma comum que correspondesse às normas acordadas, integrando funções importantes como as verificações de sanções e a conformidade com as UNSDG”.

Quando questionado sobre a sua decisão de trabalhar com a Achilles, Peter disse: “Conheço e trabalhei com a Achilles durante muitos anos, sei que a sua experiência e forte presença no sector offshore mais regulamentado tem a capacidade de ser um facilitador destas questões para o sector marítimo em geral, com as suas exigências de sustentabilidade cada vez maiores.”

Para apoiar o objetivo mais vasto de uma transição justa e equitativa, ao mesmo tempo que se cumprem as metas de GEE, assiste-se, em todo o mundo, a um número crescente de directivas, tanto a nível nacional como regional, destinadas a proteger e melhorar os direitos humanos nas cadeias de abastecimento globais. Leia mais sobre como fazer uma transição ética para o zero líquido e sobre a legislação mais recente da UE, Alemanha, Canadá e Noruega que pode afetar os proprietários e operadores de navios em outros blogs e documentos técnicos da Achilles.

De um modo geral, os objectivos e a estratégia da IMO em matéria de GEE constituem um importante passo em frente para a atenuação das emissões de GEE no sector do transporte marítimo internacional. A posição positiva mostra a dedicação à transição dos combustíveis fósseis com grande intensidade de gases com efeito de estufa para uma solução mais sustentável e de longo prazo que beneficie todas as partes interessadas.

A iniciativa da OMI de se alinhar continuamente com o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) e com os dados científicos mais recentes é um elemento fundamental da estratégia. Deve continuar a promover a inovação tecnológica e a mudança de comportamentos, e deve influenciar a política sempre que possível. Poderá argumentar-se que esta última é a mais importante, uma vez que, sem política, a ação se torna muitas vezes incipiente.

← Artigo

Arrange to talk to an ESG expert