Article

Pensando em regionalizar as atividades comerciais? Uma abordagem com base em dados

Uma recente enquete do HSBC com 10.000 empresas em 39 países mostrou que atualmente 93% estão preocupadas com suas cadeias de fornecimento. Sem dúvida, vimos durante a pandemia de COVID-19 muitos desafios nas cadeias de fornecimento globais. Eles surgiram sobretudo de três áreas:

  • Ocorrência de grandes variações em demanda, visto que vários setores da indústria foram afetados por entrar e sair dos vários confinamentos com paralisação do comércio.
  • Interrupções nas cadeias de fornecimento causadas por confinamentos com paralisação do comércio e desafios de logística, sobretudo em relação a fornecedores menores.
  • Desafios financeiros constantes porque muitas empresas enfrentaram problemas de fluxo de caixa, provocados em grande parte pelos dois fatores acima.

Tudo isso juntamente com problemas geopolíticos como o Brexit e as negociações de tarifas de comércio levaram muitas empresas e, por conseguinte, suas equipes de compras a apertar o botão reiniciar em suas atividades de compras e cadeia de fornecimento. Eles perceberam que a agilidade e a capacidade de recuperação das cadeias de fornecimento serão fundamentais para a vantagem competitiva e a sobrevivência no novo ambiente empresarial. O aspecto fundamental para realizar essas mudanças é ter acesso a dados implementáveis adequados que forneçam uma percepção para prever o futuro.

Como parte destas mudanças, cogita-se em regionalizar as atividades da cadeia de fornecimento como parte de uma abordagem de reconstrução aprimorada. Basicamente, isso pode ser definido como a transferência dos processos comerciais para empresas no país do seu próprio local de produção ou no de um país vizinho.

Por que regionalizar as atividades comerciais?

Há vários possíveis benefícios da regionalização ou transferência das operações comerciais das cadeias de fornecimento, se considerarmos como melhor combinar uma abordagem digital primeiro com a flexibilidade do processo, destacam-se vários benefícios:

  • Se implementado corretamente, melhora a capacidade de recuperação da cadeia de fornecimento e, por conseguinte, reduz os custos associados com as interrupções da cadeia de fornecimento, melhorando o desempenho da empresa. De acordo com um recente relatório do Instituto Global McKinsey, as cadeias de fornecimento enfrentarão interrupções com duração de um mês ou mais, a cada quatro anos.
  • Melhoria da entrega no prazo para o cliente, o principal indicador de desempenho mais frequente em vários setores do ramo
  • Pode ajudar do ponto de vista da pegada de carbono e da responsabilidade social corporativa, inclusive a exposição de reputação
  • Custos reduzidos de logística e mais flexibilidade, talvez seja preciso contrabalançar este em relação a possíveis aumentos de custo unitário.
  • Reduzir os desafios regulatórios e de conformidade, por exemplo, o nearshoring está baseado em um local como a União Europeia. Por exemplo: UK Modern Slavery Act.
  • As equipes de compras estão cada vez mais esperando ter soluções de risco digitais que possam ajudá-las a acrescentar valor e automatizar os aspectos fundamentais dos processos estratégicos de busca e gestão de fornecedores. Isso reduz as despesas com pessoal e melhora a retenção. Por exemplo, monitorar 30 fatores de risco de todos os fornecedores torna-se rapidamente impossível sem os dados e a tecnologia adequados.
  • Garantindo que isto seja parte de uma mudança para um gêmeo digital da sua cadeia de fornecimento crítica junto com os dados de suporte dos fornecedores. Você pode começar a fazer um planejamento básico de cenário e testes de estresse, examinando, por exemplo, as implicações da fábrica de um fornecedor crítico não estar mais disponível e saber quais são as alternativas de fornecedores.

A adoção adequada da regionalização que possibilita a agilidade necessária e a velocidade de resposta aos clientes pode ser uma grande ajuda. A Inditex se tornou um dos varejistas de moda de maior sucesso no mundo, com base numa estratégia de regionalização que possibilitou uma resposta rápida às necessidades do cliente. A Inditex trabalha com fornecedores para oferecer produtos de moda que atendam todos os devidos requisitos de diligência pertinentes, incluindo as normas exigentes de sustentabilidade, saúde e segurança, desenvolvidos com base no respeito e promoção de direitos humanos e transparência.
A Levi’s recentemente também regionalizou a produção de calças jeans usando um processo totalmente automatizado de dar ao jeans a aparência de batido e rasgado através do uso de lasers para substituir os esforços manuais substanciais em países de baixo custo, proporcionando também a necessária agilidade de atendimento ao consumidor.
A Pegatron, fabricante de produtos eletrônicos ao consumidor de Taiwan, entre outros, transferiu seus estabelecimentos da China para a Chéquia. O que provocou esta mudança foram os eventos como os aumentos de salários fora do país e a flutuação de custos das mercadorias vendidas, a fraca proteção da tecnologia e da propriedade intelectual fora do país, as guerras comerciais e os aumentos de tarifas, as tendências voltadas para a entrega personalizada no dia seguinte, e a crescente pressão da sociedade por sustentabilidade.
Em outubro de 2020, uma enquete da Alvarez & Marsal informou que cerca de 7 a cada 10 grandes varejistas europeus reavaliaram as suas cadeias de fornecimento devido às fraquezas reveladas pela pandemia e 14% começaram a trazer o comércio de volta a seus países, ao passo que quase um quarto começaram a regionalizar a atividade comercial.
Vimos também uma propagação da concentração de riscos das cadeias de fornecimento com os elementos de produção mudando da China para o Vietnã, por exemplo, em anos recentes. Isto aconteceu inicialmente com as roupas e sapatos, mas passou para o setor de alta tecnologia, com a Samsung atualmente sendo responsável por 25% das exportações do Vietnã e a Intel instalando sua maior fábrica de chips global no país.

Onde se encontram os riscos?

Ao promover melhorias na capacidade de recuperação das cadeias de fornecimento, inclusive na regionalização, você precisa estar ciente do seguinte:

  • Contar com o apoio da gerência sênior para assegurar que a abordagem funcional cruzada priorizada e adequada, junto com os objetivos e as medidas associados, sejam estabelecidas.
  • Possuir as competências de riscos, os dados da cadeia de fornecimento e dos fornecedores e as soluções de software corretas para corroborar a sua tomada de decisão.
  • Ter a certeza de que você tem um grupo de fornecedores pré-qualificados que atendam os seus requisitos de responsabilidade social corporativa, de saúde e segurança, regulamentadores, entre outros, para promover a agilidade que vai precisar.
  • Entender a sua pegada geográfica tendo a diversidade correta na base de fornecimento incluindo os vários níveis das suas cadeias de fornecimento críticas.
  • Desenvolver, dentro de uma segmentação global da sua base de fornecimento, quando for o caso, uma relação de cooperação com o fornecedor com base numa abordagem na qual os dois lados ganham e na qual você é o cliente preferido.

Faça a si mesmo a pergunta, você possui à mão os dados dos fornecedores pertinentes para entender as mudanças no seu panorama de riscos e para identificar rapidamente os fornecedores alternativos do produto em questão?
Não é porque você regionalizou uma atividade, que automaticamente reduziu o risco na sua cadeia de fornecimento. Se você estiver pensando em regionalização, estes vários aspectos devem ser levados em conta:

  • O fornecedor ou a fábrica do fornecedor podem ser arriscados, por exemplo, o fornecedor está prestes a entrar em falência ou as práticas de saúde e segurança que ele adota são inadequadas.
  • Ao regionalizar muitos dos seus fornecedores, você está criando um novo risco de acumulação, por exemplo, dependência de um porto ou uma região. Procure fazer uma distribuição geográfica adequada.
  • A sua capacidade atual de fornecedores é suficiente? Procure ter uma reserva de fornecedores devidamente qualificados.
  • Você poderá estar desenvolvendo uma nova relação com o fornecedor e é importante que você entenda isso num contexto abrangente de devida diligência com o fornecedor.

Uma das áreas principais de redução de riscos é ter dados disponíveis para entender as mudanças no panorama de riscos e facilitar a agilidade proativa necessária, ambos a partir de uma perspectiva de gestão e de busca de fornecedores.

Assista ao vídeo abaixo para aprender mais sobre a regionalização a partir da abordagem com base em dados

 


Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar