Conteúdo local em Moçambique – abertura de oportunidades para fornecedores locais e globais

Article by Achilles

A África teve um enorme crescimento na exploração e extração de gás e petróleo neste milênio e muitos especialistas preveem que nesta década a região despontará como um importante centro global de energia. Acredita-se que o continente tenha 7,5% das reservas de petróleo e 7% do gás inexplorado do mundo. Com os preços internacionais da energia se recuperando da queda ocorrida no meio da década, também estão surgindo muitas oportunidades para fornecedores.

Encontrar o conhecimento e a capacidade ideais entre fornecedores será essencial para a certeza de que esses projetos sejam bem-sucedidos a longo prazo.

Localizada na província mais ao norte de Moçambique, o campo de gás natural offshore da bacia de Rovuma é um exemplo épico das oportunidades possíveis na África. O projeto de GNL de Moçambique da Total (anteriormente Anadarko) na Área Offshore 1 pretende extrair 75 trilhões de cf de gás recuperável a 40 km da costa, em profundidades de cerca de 1.600 metros. Isso equivale a aproximadamente 12 bilhões de barris de petróleo.

O “GNL Moçambique é um ativo único que se encaixa perfeitamente em nossa estratégia e expande nossa posição em gás natural liquefeito”, disse Patrick Pouyanné, Presidente e CEO da Total.

Um projeto com esse potencial de grande escala exige estudo igualmente grande parar ser plenamente realizado. Em agosto de 2019 , foi iniciada a construção da instalação de GNL – incluindo um sistema de coleta capaz de tratar 2 bilhões de pés cúbicos de gás por dia.

Requisitos locais

Moçambique tem os maiores recursos de gás natural inexplorados da região e recebeu um enorme fluxo de investimentos e atividades estrangeiros na última década. O governo estabeleceu uma série de requisitos para megaprojetos de petróleo e gás para garantir que esse fluxo de capital beneficie as comunidades e a economia locais. O mais importante deles é a ideia de conteúdo local em Moçambique, em que compradores e fornecedores devem dar preferência a produtos e serviços locais ao construir uma cadeia de fornecimento.

Existem algumas advertências importantes aqui. Se os fornecedores locais não conseguirem, não tiverem recursos necessários ou se o seu preço ultrapassar 10% do preço das alternativas importadas disponíveis, esse requisito pode ser dispensado. Isso significa que ainda há muitas oportunidades para fornecedores de fora do país para participar desses projetos de energia em andamento.

O fornecimento de conteúdo local em Moçambique garante valor além da conformidade da cadeia de fornecimento. Para o projeto de GNL Moçambique da Total na bacia de Rovuma, atender a esses requisitos locais de conteúdo significa dedicar muito tempo e energia ao desenvolvimento de uma rede local abrangente. O mapeamento da cadeia de fornecimento é essencial para entender plenamente as capacidades dos fornecedores locais de Moçambique e identificar as lacunas que precisam ser preenchidas por empresas internacionais.

Cada país é único, com culturas empresariais enraizadas, relacionamentos e mercados locais. Sem ter uma visão dessas idiossincrasias, é impossível avaliar e minimizar o risco, bem como desenvolver uma estratégia de localização coerente de longo prazo.

Mapeamento de lacunas e oportunidades para fornecedores

A exigência legal para preferir fornecedores e subcontratadas locais sempre que possível cria um desafio de logística único. Também é o tipo de situação para a qual somos especialistas em criar soluções.

Primeiro, por meio de um extenso mapeamento da cadeia de fornecimento, é importante determinar exatamente onde os níveis exigidos de capacidades ou experiência local não são obtidos. Mas isso também pode ajudar a identificar as melhores oportunidades para fornecedores estrangeiros de estabelecer parceria com os locais para se complementarem. Algumas joint-ventures empolgantes e produtivas podem também ser possíveis.

“A contratada da EPC CCS JV usará o sistema da Achilles para identificar possíveis fornecedores de bens e serviços. Quando houver lacunas na capacidade local, a Achilles também será usada para identificar fornecedores internacionais que possam estabelecer parcerias com fornecedores locais”, afirma Ben Cavel, Gerente de conteúdo nacional AMA1, Total Mozambique LNG.

Em vez de ver o conteúdo local em Moçambique como um desafio, ele pode oferecer uma excelente forma de fornecedores internacionais criarem contatos construtivos e expandir suas redes em uma região ou país que deverá ser muito movimentado nas próximas décadas. Essas parcerias entre empresas globais e locais também ajudam a Total a garantir que não estejam apenas cumprindo os regulamentos locais, mas também trabalhando de acordo com normas globais.

Mas criar esses relacionamentos provavelmente seria um processo longo e complexo sem as comunidades certas para ajudar a garantir a conformidade e a nivelar o campo de atuação.

Nossa Petróleo e gás África tem mais de mil fornecedores já cadastrados, a maioria deles com conteúdo local em Moçambique. Essas empresas estão à procura de parceiros internacionais para ajudá-las a aumentar seus recursos e a abrir novas oportunidades locais. CCSJV, o consórcio que concede contratos de engenharia, aquisição e construção para o projeto da instalação de GNL de Moçambique, atualmente está oferecendo cerca de USD 100 milhões em oportunidades de contratos para fornecedores por meio do seu plano de trabalho disponível para membros da comunidade Petróleo e gás África. Pode parecer que ter acesso a oportunidades como essa na bacia de Rovuma é algo inalcançável para a maioria dos fornecedores, mas participar das comunidades certas pode abrir um mundo de novas possibilidades.

Faça parte da Petróleo e Gás na África hoje mesmo.



Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar