Cadeias de fornecimento não éticas: Qual é o problema e como lidar com ele.

20 Feb 2017
Artigo por Achilles

À medida que a lei sobre escravidão moderna transita no parlamento, o foco de atenção se voltou para a ética e a transparência da cadeia de fornecimento – ou a falta destas – nas redes de fornecimento.

Os ministros do Ministério do Interior afirmam que, segundo a nova legislação, as grandes empresas precisarão divulgar a cada ano as etapas que realizaram para erradicar a escravidão de suas cadeias de fornecimento. O primeiro comissário antiescravidão da Grã-Bretanha também foi nomeado – na pessoa de Kevin Hyland, diretor anterior da unidade de tráfico humano da Polícia Metropolitana de Londres – e estará revelando quais as empresas que não implementam procedimentos para lidar com a escravidão.

Isto criará maior necessidade de divulgar a visibilidade da cadeia de fornecimento além do primeiro nível para as organizações compradoras.

“Uma vez que eles saibam que estão sendo monitorados… eles vão desejar ter cadeias de fornecimento limpas,” disse Kevin Hyland ao Financial Times. “Se eles não o fizerem, serão denunciados – e nenhuma empresa no mundo quer ser vista empregando escravos”.

Mas qual é a ameaça e o que as empresas podem fazer para lidar com isto?

Conduta não ética na cadeia de fornecimento.


A escravidão, o trabalho forçado e o tráfico de seres humanos são três dos riscos principais da ética da cadeia de fornecimento. A escravidão se refere ao tratamento de outro ser humano, como se ele fosse “propriedade” a ser “comprada, vendida, comercializada ou até destruída”, de acordo com a Fundação Walk Free. Realizar trabalho forçado é trabalhar sem consentimento, através ameaças ou coerção, ao passo que tráfico humano é a compra de pessoas através do ato de enganar, ameaçar ou coagir para escravidão, trabalho forçado ou outras formas de exploração.

Estas ações violam os direitos humanos e infelizmente são mais frequentes do que muitos acreditam. De fato, a fundação Walk Free afirma que há 29,8 milhões de pessoas em regime de escravidão nos dias de hoje, incluindo 5.000 escravos no Reino Unido.

A National Crime Agency também identificou que o número de possíveis vítimas de tráfico e trabalho forçado no Reino Unido aumentou 47% no ano passado.

Sendo assim, por que este crime que ocorre na cadeia de fornecimento é desconhecido por muitos? A pesquisa da Achilles mostrou que 40% das empresas que só compram no Reino Unido não têm nenhuma informação sobre fornecedores de segundo nível e uma a cada cinco organizações não tem nenhuma informação sobre seus fornecedores de segundo nível em todo o mundo. A escravidão, muitas vezes, se encontra entranhada na cadeia de fornecimento e se, por um lado, a natureza complexa das redes dificulta o seu desentranhamento, por outro, certamente mais pode ser feito para fechar o cerco em volta dos casos de abuso.

Atualmente, apenas 51% dos fabricantes auditam regularmente seus fornecedores de primeiro nível. Há um nível de confiança presumida com fornecedores de primeiro nível, mas isto talvez esteja impedindo que as cadeias de fornecimento assumam a responsabilidade.

O que preocupa é que a Achilles constatou que apenas oito por cento dos grandes fabricantes estão “muito confiantes” de que seus fornecedores de primeiro nível não usam trabalho escravo.

Estes valores foram confirmados pelo Chartered Institute of Purchasing and Supply. Em um estudo, a organização revelou que 11% dos empresários tem uma cadeia de fornecimento que eles acreditam apresentar escravidão moderna e 72% dos profissionais de cadeia de fornecimento britânicos têm zero visibilidade das suas cadeias de fornecimento além do segundo nível.

Garantindo a ética na cadeia de fornecimento .


A proteção contra conduta não ética na cadeia de fornecimento se resume a uma coisa: transparência. Embora não seja fácil acender uma luz nos níveis mais profundos e mais escuros da cadeia de fornecimento, com os processos corretos implementados, isto é possível.

O primeiro passo é cuidar para que todos os fornecedores preencham os questionários de responsabilidade social empresarial como parte da pré-qualificação. Isto significa que as organizações compradoras podem identificar pontos fracos e eliminar qualquer fornecedor de alto risco do processo.

Como membros da Achilles, os compradores podem selecionar fornecedores de um banco de fornecedores validados e gerenciar as informações sobre todos os fornecedores através de um único banco de dados.

O mapeamento da cadeia de fornecimento também é uma ferramenta importante para garantir que a ética esteja presente nas redes de fornecimento. Através do envio de pedidos automatizados para obter informações por meio da cadeia de fornecimento, as empresas podem entender melhor o que está acontecendo e onde. No entanto, é crucial conseguir a concordância dos fornecedores de primeiro nível que podem, então, ajudar a identificar sub-fornecedores.

A peça final do quebra-cabeças para garantir a ética da cadeia de fornecimento é auditar os fornecedores conhecidos. Esta é a validação física de um questionário da empresa. As auditorias da Achilles abrangem responsabilidade social empresarial, saúde e segurança, meio ambiente, emissões de carbono, avaliação de fábrica, qualidade, continuidade de negócios e recursos humanos.

As nossas auditorias refletem os requisitos do ramo, inclusive normas, melhores práticas e leis específicas do país.

Preparação para um futuro ético.


Com o combate à conduta não ética na cadeia de fornecimento no Reino Unido, as organizações que puderem demonstrar transparência e garantir que não haja nenhum caso de abusos de direitos humanos nas suas cadeias de fornecimento ocuparão o primeiro lugar.

Antecipar-se à legislação é importante e as empresas colherão o benefício de redes de fornecimento mais éticas.

Este ano, David Noble, diretor executivo do grupo do Chartered Institute do CIPS, disse: “Os consumidores e empresários entraram num pacto do tipo “não pergunte, não diga” nas cadeias de fornecimento da Grã-Bretanha. Os consumidores e empresários não aprenderam as lições do escândalo da carne de cavalo e estão contentes em continuar ignorando os abusos que podem estar ocorrendo em todas as suas cadeias de fornecimento”.

“Se a lei contra a escravidão moderna tiver a chance de eliminar a escravidão da cadeia de fornecimento britânica e para evitar a repetição do escândalo da carne de cavalo, temos que empoderar os profissionais de compras nas suas empresas.”



Receba ótimas informações na sua caixa de entrada todos os meses

Assinar